Carrinho de Compras

O carrinho ainda está vazio

14ª e ultima sessão do Curso livre sobre o Antigo Egito

 
A ESCRITA HIEROGLÍFICA EGÍPCIA
 
A escrita hieroglífica é a mais conhecida entre os diversos tipos de escrita usados pelos antigos Egípcios ao longo de mais de três milénios. Ela é composta por  ideogramas (signos que transmitem ideias) e por fonogramas (signos que registam sons), os quais se completam e complementam de forma harmoniosa, e para a sua correta execução era necessário ter noções de apurada estética gráfica e possuir bons dotes de desenho e de caligrafia.
Usados desde a emergência do Egito unificado em finais do IV milénio, os signos que viriam a constituir a escrita hieroglífica, e que são facilmente diferenciáveis de qualquer outra escrita universal, foram um inesgotável manancial decorativo nas obras de arte, legendando e complementando as imagens e compondo uma rica iconografia, que hoje podemos admirar em paredes de templos e de túmulos, em estelas e em estátuas, e em muitos objetos decorativos e utilitários que se expõem em muitos museus do mundo – incluindo em Portugal.

Ler mais...

13ª sessão Curso livre sobre o Antigo Egito

O ANTIGO EGIPTO NO CINEMA

13ª SESSÃO | 17 DE ABRIL DE 2021 | 15-17 Horas

Resumo

José das Candeias Sales

(Universidade Aberta, CHUL)

 Não se pode ignorar, antes, pelo contrário, tem de se reconhecer, o enorme poder de sedução e de influência do cinema na formação de ideias e representações sobre o antigo Egipto e, sobretudo, o seu papel na globalização do conhecimento cultural sobre a civilização dos faraós, a sua cultura, as suas caraterísticas, as suas personagens e as suas divindades. Nesta sessão, passaremos em revista uma série de filmes que, desde as décadas de 50 e de 60 do século XX até à actualidade, foram moldando a percepção de milhões de espectadores sobre a Egipto antigo.

 

11ª sessão Curso livre sobre o Antigo Egito

O «LIVRO DOS MORTOS» DO ANTIGO EGITO
 
A designação de «Livro dos Mortos» é uma tradução moderna da expressiva locução egípcia Rau nu peret em heru (rw nw prt m hrw), que, à letra, vem a dar «Capítulos de sair para o dia», ou «Fórmulas para sair para o dia», «Fórmulas para sair de dia», ou ainda, numa forma porventura mais completa e mais expressiva, e que aparece amiúde em português, «Fórmulas para sair à luz do dia», a qual, não seguindo literalmente a locução egípcia que serve de título à compilação, enfatiza bem a luminosidade diurna que o defunto almeja e quer alcançar. No outro mundo paradisíaco, o defunto ressuscitado deseja brilhar como o deus Ré e fruir a eternidade como o deus Osíris.

Ler mais...

12ª sessão curso livre sobre o Antigo Egito

 
 
A LITERATURA DO ANTIGO EGIPTO
 
A literatura do antigo Egipto pode ser interpretada de inúmeras maneiras, havendo muitas possibilidades de abordagem, da religiosa à mágica, passando por outras como a astronómica, a política ou a simbólica. Mas tal como a arte estava intrinsecamente ligada ao poder político e à religião, também a literatura cumpria o seu papel na sociedade, podendo-se afirmar que o seu primeiro objectivo era a formação. A ideia de uma literatura «para distrair», «para quebrar o tédio» não existia, a não ser como forma literária para lançar ideias com grande impacto na sociedade egípcia. Além desta componente pedagógica, tinham ainda uma componente didáctica, sendo também utilizados na formação de escribas, não só do ponto de vista caligráfico, gramatical e vocabular, mas também na sua formação pessoal através da abordagem dos temas. Mesmo ficcionados, eram normalmente construídos sobre uma base facilmente reconhecível no tecido natural ou social, que lhes dava credibilidade e sustentabilidade.

Ler mais...

10ª sessão Curso livre sobre o Antigo Egito

«Erotismo e sexualidade no antigo Egito»

A cultura material e literária egípcias proporcionam um extenso manancial para o estudo do erotismo no vale do Nilo. A literatura egípcia, em particular a poesia amorosa, proporciona uma perspectiva única sobre a emergência das primeiras representações literárias sobre o amor.

Nesta sessão iremos debruçar-nos sobre a fenomenologia amorosa descrita nos poemas de amor de forma a traçar sumariamente o quadro original de referências semânticas que lhes estavam subjacentes. onde uma certa experiência do sagrado não estava excluída. Abordaremos também os abundantes vestígios de temática porno-concupiscente patentes na cultura material egípcia e que atestam o grau de sofisticação atingindo pela civilização do Nilo.